Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Womenage a Trois

Women's True Banal Stories - womenageatrois@gmail.com

Setembro 02, 2008

Cenas Obscenas

 

Continuando, já dentro do restaurante (não é o da "caldierada", pronto), e depois de uma farta e exótica refeição, somos confrontados com uma conta a condizer... bom, ponderadas todas as possibilidades e alternativas, surge-nos ao fundo da sala uma derradeira e desesperada, como mostra a foto. Não é brincadeira, é mesmo uma "saída de emergência" numa vulgar janela. Ah! trata-se de um 2º andar. Sorrateira e despercebidamente, vamos espreitar. Lá está uma escadinha de metal, estreitinha, e de aspecto frágil, a pique. Sempre gostava de ver certas pessoas a sair por ali de cabeça e a descambarem direitinhos ao chão. Splash! Saímos a pensar que se deveria chamar "saída de emergência de emergência".

Setembro 02, 2008

Shyznogud

Setembro 02, 2008

Shyznogud

Apesar de ainda continuar a meia haste, não quero deixar de aconselhar duas visitas bloguisticas.

 

. Apesar de não me identificar com a auto-caracterização que o Rogério faz de si mesmo (assumo claramente a minha pertença à esquerda europeia, por exemplo), não posso deixar de estar de mais de acordo com o que diz sobre o abjecto rumor posto a circular sobre Sarah Palin (a esta, não ao rumor mas a ela, voltarei assim que possível) e o aproveitamento miserável da gravidez da sua filha adolescente.

 

. Como anunciado o Caminhos da Memória voltou em grande. Não só nos oferece um texto auto-biográfico de Edmundo Pedro, como inicia, pela mão de Maria Manuela Cruzeiro, com "Maria Eugénia Varela Gomes", uma nova séirie ("Que força é essa?") que nos apresentará "vidas admiráveis de mulheres, sobre as quais o silêncio de hoje mais não é do que o perverso sucedâneo das circunstâncias inimagináveis (agravadas pelos gritantes constrangimentos da condição feminina e dos seus esteriótipos sociais dominantes) em que deram o seu contributo a um combate comum."

 

Setembro 01, 2008

Cenas Obscenas

 

Depois do aperitivo, ora vamos lá escolher um restaurante. Hmm que tal este? Não preciso de dizer em que região fica, há sotaques típicos que não enganam. Hesito entre uma "sapatiera" e um "dressed crab", uma "caldierada" e um "fish stew", "fresh clams" (presumo que o resto não seja fresh) e "amejoas", um "borrego no forno" ou um "lamb portugeese style". Se pedir em português far-me-ão esperar 24 horas, pelos vistos. Ainda me apetece perguntar se não há "chicken piri-piri". Acho que vou mesmo escolher um "english spoken", a ver o que me sai na rifa. Ou na linha, parece que dão boas achegas.

 

Setembro 01, 2008

Jonas

O pirolito tinha uma irmã que era a pirolita. Certo dia mãe mandou um para a escola e a outra para a mestra, aquele que chegasse a casa primeiro ganharia um bocadinho de pão com queijo. O pirolito foi o primeiro e a mãe disse-lhe: «Olha, põe além uma mesa, um alguidar debaixo e uma faca e põe-te em cima da mesa a dormir a sesta». O pirolito era bem mandado, adormeceu, a mãe matou-o e fez dele um guisado. A pirolita chegou, perguntou pelo pirolito, a mãe disse-lhe que ainda não chegara e deu-lhe o bocadinho de pão com queijo. «Vai levar o jantar ao teu pai» disse, «mas não espreites nem proves». A pirolita não era tão bem mandada, quis ver o que era o jantar, viu o pirolito e começou a chorar. A Nossa Senhora chegou e perguntou-lhe por que chorava. «Não chores, em teu pai estando a jantar há-de chamar-te para comeres também, mas tu diz-lhe que não tens vontade e, depois de ele jantar, reúne os ossinhos e deita-os para o rio». Assim fez a pirolita, então saltou do rio o pirolito cheio de laranjas e foram os dois para casa.

 

Mãe: «Pirolito, dás-me uma laranja?» - «Não, que me mataste.»

 

Pai: «Pirolito, dás-me uma laranja?» - «Não, que me comeste.»

 

Pirolita:  «Pirolito, dás-me uma laranja?» - «Toma-as lá todas, que me salvaste. A tua boca cheia de anjinhos e a minha de confeitinhos.»

 

 

Estes alentejanos são mesmo marados, sempre suspeitei.

 

Conto popular de Elvas, este não é o texto original mas é adaptado do Pirolito [p.140], Contos Populares Alentejanos Recolhidos da Tradição Oral, CEPCEP

Pág. 12/12

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D