Quarta-feira, 10.12.08

 ...sei bem o que diria! Estou tão farto desta merda.

 

Que a recessão batesse a sério e não houvesse natal, bolas.


sinto-me:


"será que se alguém furar a sua boneca insuflável pode ser acusado de violência doméstica?", eis a pertinente dúvida da FIA ali no post dos kinky toons.




 

Vale a pena espreitar este post no F-se.




Um australiano foi condenado por pornografia infantil por ter em sua posse alguns ficheiros mostrando os irmãos Bart, Lisa e Maggie Simpson em cenas sexualmente explícitas.

 

Enquanto não tenho tempo para procurar Simpsons a fazer pucarias deixo-vos bem acompanhados pelo Team America:

 

 




Já antes assumi o meu lado voyeur que me leva a, não raras vezes, ouvir o programa da TSF "A playlist de...". Interessa-me menos a música - é muito raro descobrir coisas novas, tal a previsibilidade da maioria das escolhas - e mais tentar compor a imagem mental que tenho dos convidados através dos "sons da vida deles". Hoje, contudo, não é nada disso que me interessa, vi-me foi assolada por uma dúvida ontem, por volta das 13h50m, e a cabra não me larga... As playlist são sempre acompanhada de comentários dos convidados, que divagam ou justificam a escolha X ou Y, presumindo eu que a produção da TSF não tem nenhuma interferência naquilo que é dito. Mas será que isso a exime da responsabilidade de propagar informação objectivamente falsa? Não haveria maneira de, quando estão a gravar o programa, avisarem os convidados de que estão a dizer um tremendo disparate quando tal é o caso? Cito, de memória, aquilo que ontem ouvi do fadista Helder Moutinho (que por acaso tem uma das mais interessantes playlists que já ouvi por lá) quando introduzia um tema de uma cantora israelita (não pude ouvir nem o nome dela nem a canção respectiva porque saí do carro entretanto, pelo rumo daquela playlist quase apostaria que ele falava da Ofra Hazaa), "Canta em Yiddish, uma língua inventada pelos judeus durante a 2ª Guerra Mundial para poderem falar entre si sem que os nazis os percebessem". Nem consegui rir tal foi o choque que apanhei. E palavrinha de honra que não estou a inventar, podem confirmá-lo daqui a uns dias quando o programa desta semana passar a estar disponível on-line.




"O Supremo Tribunal do Nepal deu o seu aval aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, obrigando o governo a legislar sobre o assunto. (...)
"Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais... são pessoas naturais independentemente do género masculino ou feminino, e têm o direito de exercer os seus direitos e viverem uma vida independente na sociedade" pode-se ler no texto publicado em 17 de Novembro (...)"

(ler o resto aqui)




(roubado)