Segunda-feira, 27.10.08

No café onde todas as manhãs leio o jornal hoje já vendiam sonhos e fatias douradas.




Não me perguntem qual foi o assunto. Sinceramante, não me recordo. E ainda mais sinceramente, não quero saber. Foi em Abril. Uma coisa que metia Igreja e ICAR (que desconheço o que seja) e um "menino Vasquinho". Quem tiver conhecimento que calcule, não o número da Besta, mas o raio do assunto. Ó FIA, diz lá que raio de tema era este. Sei, sim (e isso é que interessa), que desafiei a FuckItAll a dar-me um mote. E ela deu. Ei-lo:

"Quando a menina Icar sai à rua, em sequência do apelo do menino Vasquinho, desgraça-se?"

Sobre o assunto escrevi o seguinte (também inédito, agora em rigoroso exclusivo Womenage):

 




Há uns meses andou pelas bocas do mundo (ou, pelo menos, da blogosfera nacional) uma história escabrosa sobre uma mãe que raptou o próprio filho e uma decisão da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens que "terá decidido retirar o bebé à mãe como medida preventiva, por a progenitora alegadamente fazer um estilo de vida «nocturno»". Vai daí, alguém falou na "Vampirella" a propósito de tal estilo de vida. Sobre o assunto e as dúvidas que assolavam muita gente, emiti o seguinte esclarecimento, que por vários motivos ficou esquecido na caixa de emails e que vê, pela primeira vez, a luz do dia:

 

 




Como estou a precisar de ginasticar os neurónios, por motivos que não vêm agora ao caso, decidi dar uso privado deste blog. Chega de anos a dar ao litro para gozo do povoréu. Agora vou finalmente fazer um pouco o contrário. O "uso privado" é o seguinte: desafio quem quer que entre neste blog a mandar-me um mote para glosa. Não se aceitam coisas sérias. Só disparates. Ou, pelo menos, não se aceitam expectativas sérias. Usar, sff., o meu mail para sugestões. Consoante a minha vontade e disposição, glosarei a meu bel-prazer.

 

Para quem não está bem a ver a coisa, vou colocar dois exemplos de seguida, duas amostras que ficaram perdidas, há tempos, na caixa de emails.




(Encontrado aqui)