Sexta-feira, 10.10.08

"P.S.: Queria este post sóbrio e cordatro, mas é apropriado comentar também aqui a última frase do post do Pedro Picoito: «O respeito pelos gays não consiste em dar-lhes o casamento como um prémio de consolação pelos dois milénios passados no armário.»
Esta frase é de suprema arrogância. Parte do pressuposto de que o Pedro, ou "nós", os heteros, temos ou não de "dar-lhes" o casamento. (Quanto a mim, não pretendo dar o casamento nenhum homossexual. Já estou casado.) Mas pior é ainda a condescendência com estes maricas, que precisavam dois mil anos para arranjar coragem para sair do armário."

 

Lutz dixit...




... que o Daniel já tinha descrito por antecipação.

 

Hoje, os deputados do PS representarão um dos mais tristes episódios do seu mandato. Votarão, violentando a vontade de muitos deles, contra uma lei com a qual concordam. E votarão apenas com um argumento: não é conveniente para o PS.

 

P.S. - De facto tens razão, FIA, no início da manhã parlamentar parecia que as galerias iriam ser uma espécie de gineceu, vá lá que com o passar do tempo a equidade começou a instalar-se.

Ah! Fiquei muito agradavelmente surpreendida com a idade de quem achou por bem deslocar-se à AR neste dia de má memória...fiquei esperançosa nas gerações vindouras.

 

P.S.2 - Desculpa lá não te termos respondido às mensagens mas os senhores polícias não nos deixavam sequer olhar para os telemóveis.




...e de como, apesar de tudo, faz diferença o PS estar lá, responderei que, apesar de tudo, provado está que mais vale estar lá o PSD e a pessoa saber com o que conta.




Já está. Queria dedicar esta singela canção à maioria parlamentar. E saudar os três deputados do PS, Julia Caré, Manuel Alegre e Teresa Portugal, que quebraram a disciplina de voto. Acho que mereciam um emailito.

 

 




Porque, mais uma vez, merecemos aquilo que aceitamos.

Vamos lá assistir à falta de vergonha. Eu vou, pelo menos, passar lá.

 

Actualização: já passei, entre as 10h e as 10h30 (trabalho oblige). A essa hora, só pessoas à espera de entrar para assistir ao debate. Muitas mulheres, tudo nós, tudo nós!, soava muito mal pedir aos homens para mexerem o rabo?

 

Nota pessoal: gostava de assinalar que a TSF não encontrou melhor tema para o seu forum de hoje que a queda bolsista, que não podia ser discutida noutro dia. Ainda me lembro quando as opções editoriais faziam da TSF uma companhia obrigatória durante parte do dia.


sinto-me: