Segunda-feira, 15.09.08

 

Então quando o pedido é nestes termos: "Jonas, coisinha boa..."




Jonas, coisinha boa, não arranjas um banner do estilo "Este blog não suporta da Madonna"? É que já não há (a bem dizer nunca houve muita) pachorra.




 

Estou com preguiça por isso, e para não me repetir, encaminho quem quiser/precisar explicações para o outro condomínio.




Por estas bandas continua-se em regime de post-it  ou de sugestão de leituras(caraças, que esta rentrée não está fácil). Bastava só a forma como a Slate anuncia este artigo para o tornar irresistível, "How pro-life absolutism undermines family values".




(esta, claramente minha, tinha sido usurpada ali)




Vamos imaginar, por contas redondíssimas, que hoje completei a minha 1500ª ida ao supermercado. Digamos que o que constato aqui foi detectado, deixa lá ver, por volta da 1200ª ou assim. Não é, portanto, muito significativo no universo considerado. Mas se multiplicar essas 300 vezes por, vá lá, 30 pessoas, que é outra média mais ou menos estimada de gente que vejo de cada vez que lá vou, dá 9000. E se esses 9000 puderem ser extrapolados para os milhões de vezes que a população portuguesa vai às compras, dá um número jeitoso.

E falo disto para dizer o quê? Para dizer que nunca, mas nunca, mas é que nem uma única vez, umazinha que seja, um exemplarzinho para salvar a honra do convento global, um exemplo único para aliviar a estatística, vi alguém a usar um saco reutilizável, daqueles que se vendem por €0,10 e que duram toda a vida, pois são trocados gratuitamente em caso de dano. Já há mais de um ano dei por isso, como se vê aqui. As pessoas continuam alegremente a usar os descartáveis. Olhares de escárnio, olhares de impaciência, porque demora mais tempo a acondicionar devidamente um saco reutilizável (e porque é só um) que a encher mal os descartáveis. É que nem a velhinhas, que antigamente iam às compras com cestinhos, escapam. São, aliás, as piores, as mais vorazes devoradoras dos outros saquinhos. De resto, os olhares desconfiados dos operadores de caixa continuam. No outro dia, um encheu-me vários, apesar do meu aviso de que não necessitava. "Desculpe, é do hábito", foi a resposta.

Sempre julguei que lentamente, o hábito oposto se fosse criando. Posso ter azar, posso achar que é uma conspiração de uma qualquer sociedade secreta para me fazer descrer na consciência ecológica elementar dos meus concidadãos, pode ser que uma qualquer divindade do Olimpo manobre invisíveis cordelinhos de propósito, para que virtuais milhares de utilizadores dos ditos sacos nunca se cruzem comigo. Pode, ainda ocorrer que em todos os supermercados deste país, haja filas e filas de utilizadores de saquinhos reutilizáveis, excepto aqueles onde vou. Mas duvido. Estou céptico. Prefiro acreditar, até prova em contrário, que a balda é geral, que a preguiça comanda, que o desleixo, o esquecimento, a despreocupação, a falta de consciência com estas questões, imperam. Porque é bom de ver que as pessoas só acordam do seu torpor quotidiano quando as consequências dos seus actos retornam imediatamente. Se eu me puser a fazer fumarada em frente ao supermercado, há indignação geral. Se eu largar entulhos em cima do carro de cada um, idem. Mas conselhos sobre os 3 R (reduzir, reutilizar, reciclar), saem em saco roto. Não importa, para que é que eu hei-de usar os coisos se é bem mais fácil sacar dos descartáveis que estão à minha na caixa? Há supermercados que já cobram pelos sacos. Eu sou de opinião de que o preço deveria ser bem mais alto. Da mesma forma que considero que só quando o preço da energia nos começar a doer, e bem forte, no bolso, é que todos nós encaramos com seriedade a poupança de electricidade, o combate ao desperdício, a racionalização dos recursos. Até lá, é tudo à brava.

Gosto de pensar que os meus netos hão-de chamar nomes feios à minha geração. E, ao contrário do que possa parecer, não me sinto nada ofendido com isso.




Desde há uns dias que já não era lá grande novidade mas, ainda assim, há que marcar o renascimento do Arrastão, agora em formato de trio e logo composto por três dos meus bloggers favoridos. Divirtam-se, é o que vos desejo.

 

 

Boomp3.com