Quarta-feira, 03.09.08

 

Já de regresso a casa, passamos pela loja para procurar uma coisa refrescante e deparamos com isto. A prateleira estava cheia, a procura, baixa, certamente devido às ventanias desagradáveis que se verificaram na costa, este Verão.




                                                

 

A propósito de um post anterior ,mas falando de algo um pouco diferente: esta capa é um exemplo de irresponsabilidade .

Ela refere-se a uma "sondagem internacional" que conclui o seguinte: a maioria dos inquiridos em Portugal e na Grã-Bretanha está convencida de que o casal McCann é responsável pelo desaparecimento da filha Maddie.

Primeiro aspecto: a paginação e a titulagem sugerem claramente que há algo de mais concreto sobre o assunto, e que os McCann são mesmo culpados. Ora não é assim, trata-se apenas de uma sondagem da "opinião pública".

Segundo aspecto: de que vale uma tal sondagem? De que dados dispõe a maioria (ou mesmo a totalidade) dos inquiridos para dizer que os McCann são culpados ou não? Nenhuns.

Não se trata de perguntar às pessoas se acham que os McCann são feios ou bonitos.  Nem se trata de perguntar se eles servem ou não para o Governo. Trata-se de lhes perguntar se acham que eles fizeram uma coisa. concreta. Ora a maioria (a totalidade mesmo) dessas pessoas não pode saber a resposta.

Trata-se, portanto, de uma recolha de opiniões baseadas em impressões subjectivas - não fundamentadas em dados objectivos. E dez mil impressões subjectivas valem tanto como uma - isto é: nada.

Ir perguntar às pessoas o que acham deste assunto sabendo que elas não podem dar uma resposta fundamentada, e depois publicar o resultado, é irresponsabilidade.

Lembro-me de um senhor espanhol descrito como "especialista em análise fisionómica" que veio em tempos a um programa da RTP dizer que Kate McCann tinha cara de quem se sentia culpada de alguma coisa. E depois? Até pode ser verdade. E até pode ser que ela se sinta culpada, sei lá, de ter um amante, ou de qualquer outra coisa que nada tenha a ver com o desaparecimento de Maddie. Ou, simplesmente, de não ter ficado a vigiar a filha. Não sei se este senhor é um charlatão. Mas, ao vir afirmar isto publicamente, é um irresponsável.

Não sei se os McCann são culpados ou não. Podem até ser uns monstros. Não sei, nem me interessa. Tenho mais coisas que me ralem.

Entre elas, esta irresponsabilidade mediática que não se coíbe de orquestrar julgamentos em praça pública para vender papel - ou tempo de antena.




... os meus tradicionais pruridos atenuam-se ligeiramente. Mas não o suficiente (Deo Gratia!) para fazer juízos de moral sobre os factos, limitar-me-ei a a um pequeno apontamento. No comunicado em que anunciaram a gravidez da filha, Sarah Palin e o marido, escreveram "We’re proud of Bristol’s decision to have her baby and even prouder to become grandparents". Impressão minha ou nesta frase está implicíto o direito à escolha - uma decisão implica-o, não? -  que a senhora tão diligentemente combate? Lembra-me velhas histórias, "(...) a minha filha é um caso diferente".




Convido-vos a dar um salto ali ao lado.