Quarta-feira, 13.08.08

 

Terão reparado que um dos graffitis que nos decora a casa é da autoria da mais célebre graffiteuse portuguesa, Maria Imaginário. Ora ainda há poucos dias (esta semana?) saiu, no Público, um artigo sobre o seu trabalho na Palestina que me apetecia trazer para aqui. Infelizmente não me lembro do dia certo e ou sou eu que sou burra e desastrada (muito provável) ou o motor de busca do site do Público é uma bosta porque não consigo encontrar o texto. Teria a vida muito facilitada se alguém se lembrasse do dia certo em que foi publicado...há por aí alguém que me consiga ajudar refrescando-me os neurónios?




O Pedro Neves foi responsável pela nossa mudança para o Sapo ao ter-nos abordado com um mail absolutamente irresistível. Na altura não pensámos muito, mudámos "porque sim" (good vibrations, se calhar). Estes meses de permanência no condomínio têm-nos provado que mudanças irreflectidas não são forçosamente más, bem pelo contrário. E esta mudança de visual é só mais um dos mimos a que temos tido direito dele - é o maior! - e da restante equipa dos blogs Sapo. Foi ele que, de novo, nos convenceu que a nossa imagem gráfica precisava de uma mexida, foi ele que nos apresentou o muro e que nos pôs a pensar em como o queríamos enfeitar, foi ele que, em suma, fez tudo, nós só íamos mandando bitaites (departamente em que, modéstia à parte, somos muito bons).

 

Obrigada, Pedro...

 

P.S. - Como sabemos - versão Esmeraldo de Situ Orbis - que a visualização da obra do Pedro depende do monitor (e suas definições) que cada um de nós tem, deixo aqui um link que permite ver a (linda) parede na sua integralidade.




Encarregam-me as excelsas parceiras e a massa associativa deste blog a grata, prazenteira e rejubilante tarefa de anunciar ao caríssimo público, entidades oficiais e demais convidados exmºs, o novo visual deste modesto poiso com que a nossa equipa de designers profissionais, escribas reformados, criativos desempregados e repórteres free-lancer se empenhou durante os últimos meses, com notável sacrifício de vidas e fazendas e abnegado esforço de dedicação universalista, humanística e revisteira, com vista a um melhor e renovado serviço WAT.

O trabalho mais importante e esforçado foi, evidentemente, o do orador, com muitas horas de concepção, inspiração, reformulação e redimensionação do projecto, entre pareceres jurídicos profundos, brainstorming intenso numa praia algarvia, largos e generosos litros de lúpulo fermentado e intensas sessões de introspecção cannabilística. Depois, as senhoras desta casa disseram umas palavras de apoio e de estímulo, escusando-se a trabalhar e a fazer alguma coisa de útil, como é, reconheça-se, apanágio do seu sexo. O creolino Jonas fez sugestões, que foram liminarmente recusadas por não se enquadrarem no WATgeist, como que uma espécie de bússola a apontar o sul. Por fim, o batráquio Pedro Neves lá fez qualquer coisinha, com os maus-modos e a má-vontade habituais. Enfim, sinal dos tempos.

O novo visual é, assim, solenemente inaugurado, sob os auspícios da peregrinação a Fátima, cuja ajuda e protecção invocamos e cujo exemplo não esquecemos, nunca, que nos guie e nos ilumine nos dias vindouros. Por fim, é uma singela homenagem ao facto ocorrido há 47 anos, neste mesmo dia. Também nessa altura foi iniciada a erecção de um muro memorável e duradouro, se bem que comprovadamente menos inspirado e interessante. Se um dia o WAT cair, fiquem, pois, todos a saber que não deixaremos que ninguém apanhe pedaços para vender na praça ou para guardar em casa.

 

(Dá cá a tesoura, Shyz).




Argumentos e autoridades.


sinto-me: subscritora


A plateia aplaude em delírio esta conclusão do Pedro Sales, no Zero de Conduta,  a propósito da anunciada proibição da comercialização dos ovos Kinder na Alemanha

 

Existe a probabilidade das crianças engolirem os brinquedos? Claro. Bastante marginal, mas existe. Como acontece com os Legos e a infinitude de brinquedos que se encontram no mercado. Por isso é que existem idades recomendadas para cada um deles - a começar pelos ovos surpresa que são para maiores de 3 anos. O resto compete aos pais. Perceber onde começa e acaba o perigo. Que eles estejam muito ocupados consigo próprios e que apoiem todo o tipo de medidas asseptizantes é só a maior tristeza desta disparatada história. Vamos ver quanto tempo demora até chegar até nós.

 

É uma conversa a que volta e meia se volta por aqui, no fundo dá tão menos trabalho proibir (ou aplaudir proibições) do que estar atento, não é? Lembram-se de, no início do Verão do ano passado, ter havido uma grande confusão a propósito da divulgação de um filme de educação sexual na RTP2? "O que é que isto tem a ver?", estarão vossas exas. a pensar... muito, muito, na caixa de comentários do blog do referido programa descobriam-se pérolas como esta, "E acerca das muitas crianças dos DOIS aos SEIS anos que vão de certeza ver este filme, ninguém fala? é à hora dos desenhos animados que muitos vêem habitualmente na dois... pode ter passado ao lado de muitos pais, apesar da publicidade...", que levou a um comentário muito pertinente (aleluia! ao menos uma vez que fosse) da Fuckit "Este debate já serviu pelo menos para perceber que as pessoas acham que, desde que sejam desenhos animados, não precisam de prestar atenção e podem entregar-lhes os filhos pequenos como se os entregassem a alguém de confiança. Assustador."




... peguem lá este site (acho que ainda não o tinha linkado)

 

Les Archives de Eros


Un site unique présentant des milliers d'images concernant l'érotisme pendant son siècle d'or (entre 1850 et 1950). Trois univers vous sont proposés. Vous pénétrez au Paradis, peuplée de créatures mythiques du passé, un paradis perdu aux multiples facettes. Puis, les thèmes, abordés pour le plaisir de tous, guidés par des goûts les plus divers. Et les curieux finiront en Enfer, peuplé d'images crues et gaillardes démontrant que l'on ne peut guère inventer en ce domaine.







... com o dr.maybe, acabei de descobrir (via Rue89) um livro que é capaz de lhe interessar.

 

 

(clicando na imagem pode ver-se um pequeno vídeo com o seu quê de interessante)