Segunda-feira, 11.08.08

...a entrada foi genial... 

...já a saída do camandro! Ora vede dos 7m29s em diante aqui:

http://www.presidencia.pt/?idc=22&idi=18958

 




Há uma qualquer referência a adultério...


sinto-me:


Para os que se interrogam acerca das minhas escolhas políticas.




Agora só falta escolhermos, todas, a quem ligar ou escrever email quando precisarmos de decidir algo. Pensei num sistema rotativo, em que o autor do último texto sobre as incapacidades femininas seria o escolhido, até novo texto surgir. Hum? Que acham?

 

(como decorre do post, não fui eu quem escolheu esta imagem)

 

(em stereo)




... quando o meu filho me diz, entusiasmado, "Mãe, vamos comer pitas, boa?".







...que as mulheres têm falta da agressividade necessária em situações extremas. Que tal arranjarem outra desculpa qualquer para impedir a entrada feminina em tropas especiais*? Do género, "somos inseguros demais para nos sentirmos confortáveis com mulheres ao mesmo nível que nós"?

 

Adenda: custa-me fazer esta recomendação, mas espreitem o editorial do José Manuel Fernandes no Público de hoje, que acabo de ler e passa também por este tema.

 

*sim, esta tinha-me ficado atravessada



FuckItAll às 11:49
editado por Shyznogud às 13:20
juntar-se ao pagode ver o deboche (5)

Não se chega impunemente à idade de Cristo.




Em 2006 foi a Super Bock Topless. Em 2007 foi a Coca-Cola com sardinhas. Em 2008 decidi entregar a medalha de plástico campanha publicitária mais imbecil ao Compal Fresh. Pois a primeira podia ser acusada de sexista. A segunda, de anti-ecológica (as sardinhas não estão em extinção, mas poderão vir a estar um dia). Mas esta é a mais pura aberração publicitária ambientalmente bem-pensante. Caraças que nem nos mais recônditos buracos de uma mente retorcida, nem nas mais mirabolantes trips de um qualquer alucinogénio se poderia encontrar uma coisa destas. Uma campanha que pretende ligar o consumo de um "sumo 100%" ao aquecimento global. O texto reza assim:

 

Na tentativa de encontrar a solução definitiva para o arrefecimento do planeta, vários estudos indicam que quando bebes um Compal Fresh ficas mais fresco. Se ficas mais fresco, transpiras menos porque não tens tanto calor. Se não tens calor, não precisas de ar condicionado, e se não ligares o ar condicionado, há menos emissões de CO2, e se há menos emissões de CO2, não agravas o efeito de estufa e não contribuis para o aquecimento global. E se a Terra não aquecer, tu ficas outra vez mais fresco, tomas menos banhos e não desperdiças água. E um planeta com mais água é um planeta mais fresco. Testa a teoria do arrefecimento global com Compal Fresh, o poder refrescante natural.

 

Vi isto há dias, em espaço publicitário pré-cinematográfico. E depois conferi o vídeo (pomposamente chamado de "manifesto") no respectivo site. E ainda hoje fico pasmo com tamanha lição de idiotice marketinguística. É evidente que é uma brincadeira. Mas não me admirava se houvesse putos a levar isto a sério, tanto mais que surge na página rodeado de conselhos da praxe para protecção do ambiente, reciclagem, aquecimento global, produção de CO2, etc. Percebi que a campanha se destina a meninos ricos que têm ar condicionado em casa. Mas a minha parte favorita é a dos banhos. Fiquei a saber, sobretudo, que há gente que toma banho, não por uma questão de higiene, mas sim para arrefecer. Portanto, no Inverno, nada disso. Não está calor e não se gasta água. Felizmente que também não se beberá a dita mistela, presumo.




Uma série com um certo toque Monty Pythesco, cujo plot culmina numa perseguição feita por alguém com botox injectado nas pernas que descobriu andar a comer a própria mãe que o abandonou em criança... enfim, coisa de tragédia grega.

*pá Shyz.