Terça-feira, 22.07.08

Socorro, Shyza: a criança quer saber como se diz "cocó" em francês (ontem quis saber como se escrevia) e eu estou no tal estado de descerebrização. Ajudas-me?





sinto-me: descerebrizada


 

* ando desde ontem com vontade de usar a palavra sáfico ou sáfica e quando vontades me atingem não descanso enquanto não lhes dou vazão, pronto.




Esta história que tem como protagonistas a menina limão e o pastorinho.

 

Caiu-me particularmente no goto porque me lembrei de outras histórias, que também metiam virtualidades, meninas e livros ao barulho (se bem que neste caso a "apanhada" fosse a menina em causa, right, "his litle palm leaf"?)




 

Que os homens da casa estão silenciados e vocês sabem como semos a gente, as gajas.




Anda meio mundo a mandar bitaites e a outra metade a discordar dos ditos, mas ouve-se pouco quem conhece realmente o bairro e as pessoas. Fica aqui então uma entrevista que vale a pena ler com atenção.

Entrevista a Félix Bolaño por Raquel Abecassis e José Manuel Fernandes - Upload a Document to Scribd
Read this document on Scribd: Entrevista a Félix Bolaño por Raquel Abecassis e José Manuel Fernandes

 

(graças eternas ao Rui Tavares, que chamou a atenção para o texto e à Shyza, que o arranjou e pôs nesta forma boa de postar e ler)




...vai a blogosfera à fonte, descalça pela verdura.




Portanto fico feliz por haver quem pegue nela ainda com sentido de humor. Pergunto-me qual seria o resultado se a criança, mais tarde, ou os adultos responsáveis agora, processassem a Justiça, ergo o Estado português, por todos os danos causados por 6 anos de incompetência, inacção e más decisões.





'No Values Voters' Looking To Support Most Evil Candidate

 

(via)




* sugestão de leitura para férias

 

p.s. - sobre o tema eis uma lista, hum, curiosa, digamos assim




Anda tudo (até eu!) muito calmo por aqui. O Cenas volta de férias e nem liga às encomendas. O Mouro, esse, desapareceu em combate e nem a captura do Karadzic (finalmente!) parece ser suficiente para o fazer voltar ao mundo dos vivos, relembrando, ao menos, os velhos tempos de Arkan. Ao Jonas perdoa-se o silêncio, depois de tantas e tão intensas ameaças a que foi sujeito nos últimos tempos.