Segunda-feira, 16.06.08

Há dias, a meio de um jantar, alguém disse não sei bem o quê a propósito não sei bem das quantas. Mas a conversa descambou e eu dei comigo a falar de algo que nenhum dos presentes confirmou. Pior, não só não confirmou como todos acharam um disparate e alguns, nomeadamente a anfitriã, até me chamaram nomes feios. Vai daí, decidi dar uns minutos de reflexão para ver se havia luz, mas neurónios e fotões estavam de costas voltadas. Provavelmente, era por ser noite. Portanto, para ver se me escapo a ir buscar o dito cujo a um clube de vídeo ou a ceder à tentação pirática, venho solicitar a quem ler estas linhas que puxe um pouco pela cabeça e que me confirme se tenho ou não razão. Mentira, não é preciso confirmar nada, porque tenho bem a certeza do que digo. É só o bichinho do quiz. E uma forma de comprovar se sou o único a topar com certos pormenores. Aqui vai:

 

- Há um ponto de união entre o "Emmanuelle" e Paul Newman. Qual é?

 

Adenda Shyzenta:

 

A referência a tal xaropada merece o Shyza Sound Trash correspondente



Cenas Obscenas às 16:49
editado por Shyznogud às 21:00
juntar-se ao pagode ver o deboche (48)

Algo me diz que depois da série anal não tarda teremos a série fisting  (e mais tarde, quem sabe, a bukkake).




Há uma frase na crónica do Vasco Barreto de hoje no Metro (disponível no cinco dias) que é um dos misteriosos casos em que uma evidência  (daquelas que entram pelos olhos dentro) é tão difícil de perceber por muitos:

 

"(...)desde quando racismo e atracção sexual se excluem?"




 

boomp3.com Esta canção, para além de ser fruta da época, tem a particularidade de poder encaixar este post numa outra categoria, a das "Alegrias da Maternidade". É que igualmente de época foi, durante uns anos, o "suplício" que era contribuir para que a festa de final de ano da escola onde os meus filhos andavam fosse um sucesso. Ora isso passava não só por dar ao cabedal, ajudando na (des)arrumação da escola como, também, em ensaiar com eles alguns números. Ora num dos anos vi a minha criatura mais velha transformada numa fadista, cantando esta (liiiiinda) canção. A quem coube a hérculea tarefa de lhe ensinar a letra? A quem? A quem? Está-se mesmo a ver...foram dias e dias a ouvir esta coisa sem parar. Quando ela a decorou ainda foi pior porque a quis ensinar a todos os seres humanos que a rodeavam.