Quarta-feira, 04.06.08

...faz-se uma 'vaquita' e pronto!

 

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=349316&visual=26

 




Eu preferia os piratas comunistas, mas enfim.

 




Pergunto-me: há quantos anos anda este senhor na rua, nas escolas e em casa dos miúdos cujo comportamento ele repudia liminarmente, a analisar as ganzas que eles fumam? Imagino que a confiança mútua é imensa. Gostava de saber porque é que uma pessoa que tem uma clara posição extremista (no caso, proibicionista), que o impede de falar com racionalidade sobre isto, é considerado sempre o especialista-estalão para falar deste tema.  

 

Quanto à distinção entre leves e duras ser errónea, estamos todos de acordo. A maior parte das classificações geradas pelo sistema proibicionista é-o.




Temos Obama vs McCain. Por uma vez, teremos umas presidenciais norte-americanas com dois candidatos que não me repugnam pessoalmente; e com um deles, bem posicionado para vencer, mais à esquerda do que alguma vez pensei possível - dentro do contexto estado-unidense, bem entendido. Obrigada, Bush.

 

Adenda para prevenir discussões desnecessárias: eu estou consciente de que, como o Rui Bebiano tão bem diz, não há que esperar muito de um eventual presidente Obama. Mesmo assim, é uma variante agradável - e, àquela escala, mudanças pequenas já são mudanças que se vêem.