Terça-feira, 20.05.08

 

Sendo suspeita (conheci a Julie, a realizadora, durante a campanha do referendo e gostei muito dela) não deixo de aconselhar este documentário. Vi-o durante o último Doc Lisboa e, para além de ter relembrado batalhas intensas, foi muito esclarecedor de uma série de coisas (clicando na imagem acedem ao blog do SALTA).




Porque é que o Mário Crespo inspira tantas loas quando, nos últimos tempos, se repetem as figuras tristes como esta (descrição feita João Pinto e Castro):

 

"Máripo Crespo acha que o site do IDT deveria pura e simplesmente dizer: "A droga é má, a droga mata", sem se perguntar se, assumindo esse ponto de partida, teria capacidade para influenciar alguém. E, em seguida, questiona o seu Presidente, entre o surpreso e o indignado: "Mas pode haver um uso recreativo das drogas?" Ó santa ignorância! A finalizar, escandaliza-se que o Instituto afirme que "não há receitas para prevenir a toxicodependência". E há?(...)"

 

 




 

Podem descarregar o programa do seminário e o formulário para inscrição no mesmo aqui.




Uma amiga minha - que, presumo, acabou de espreitar aqui e viu, com certeza, o texto do Vasco que ontem "postei" - mandou-me um mail com curtinho... mas eram precisas mais palavras?

 

Sabes o que me não me sai da cabeça quando se fala de violência doméstica? É o "na cara, não".

Arrepia-me até às lágrimas, pelo que encerra de resignação.