Segunda-feira, 12.05.08

O Rui Bebiano resolveu relembrar algumas frases de parede de Maio de 68 menos conhecidas (a minha preferida é " Faites l’Amour et Recommencez") e eu sigo-lhe o exemplo, desta vez homenageando o desaparecido dr.maybe (anda muito caladinho, será que assim arrebita?):

 

La Révolution SERA ANALE OU NE SERA PAS (escrito numa parede do Anfiteatro Richelieu na Sorbonne)

 

Inscrição retirada deste livro que tem uma história curiosíssima (que agora não tenho tempo de contar mas da qual está aqui um cheirinho):

 

 




No noite americana escreve-se sobre os melhores presidentes (dos EUA) num texto que termina assim "O melhor de todos, claro, saiu da cabeça de Aaron Sorkin, chama-se Jed Bartlet e foi encarnado por Martin Sheen em West Wing, a mãe de todas as séries políticas. Mas numa coisa Hollywood falhou: nunca foi capaz de criar presidente tão idiota como George W. Bush."



Shyznogud às 15:30
editado por FuckItAll às 16:10
juntar-se ao pagode

Para quem os tem adolescentes, podem parar de chamar-lhes preguiçosos. It's biology, stupid(s).




Myrmekiaphila neilyoungi

 

Nunca tive muito aquele sonho infanto-juvenil de ser uma estrela do rock, mas isto quase me fez mudar de ideias. Estou verde de inveja.




 

Andava a passar os olhos por alguns dos blogs de leitura diária e, de repente, pus-me a olhar para o Zero de Conduta com olhos diferentes dos do costume. Aquela imagem da folha de linhas que, não inocentemente, o encima, aliada à época que atravessamos, rica em referências (nostálgicas ou não) a uma série de movimentos anti-autoritários, fez-me ter vontade de trazer à liça o O de Conduite (que está disponível na web para quem o quiser ver).

Da autoria de Jean Vigo (a quem se deve também o belíssimo Atalante), realizado em 1933, não teve uma recepção fácil já que esteve banido em França (foi considerado “anti-francês”) até 1946. A censura de filmes em França é, aliás, rica qb. em exemplos (e foi especialmente dura durante os acontecimentos de 68). L’Age d’Or de Buñuel, de 1930, despertou violentíssimas reacções*, e só em 1980 (data em que a “censura oficial” deixou de estar dependente dos municípios e do governo) serão levantadas as interdições de circulação de cópias do filme.  Paths of Glory de Kubrick também demorou bastante a ser distribuído por terras da Gália, o filme é de 1957 e só fez a sua aparição em salas francesas 16 anos mais tarde, em 1972. Ah! E como esquecer La Religieuse de Rivette? Só conseguiu estrear depois de semanas e semanas de protestos…

* Não resisto à transcrição de um pequeno texto de Richard-Pierre Bodin, publicado a 7 de Dezembro de 1930 no Figaro, sobre este filme: “Um film intitulé L’Age d’Or, auquel je défie quelque technicien autorisé de reconnaître la moindre valeur artistique, multiplie en spectacle public, les épisodes les plus obscènes, les plus répugnants, les plus pauvres. La Patrie, la Famille, la Religion y sont traînées dans l’ordure…Tous ceux qui ont sauvé la grandeur de la France, tous ceux qui respectent les religions même s’ils sont athées, tous ceux qui ont le culte de la famille, de l’enfance, tous ceux qui ont foi en l’avenir d’une race à qui le monde doit la lumière, tous ces Français qu’on vous a choisis (sic) pour défendre contre l’empoisonnement des bas spectacles, vous demandent ici que vous pensez désormais du maintien de la censure…”.

 

em stereo



Shyznogud às 11:44
editado por FuckItAll às 13:02
juntar-se ao pagode ver o deboche (1)