Quarta-feira, 07.05.08
"Ó mãe, diz lá aquilo dos pronomes que tu dizes muito depressa. É tão giro, dá-me sempre vontade de rir...", pediu-me o meu filho quando fazia revisões para o teste de Português que terá amanhã).

("aquilo dos pronomes" era a cantilena do "eu, me, mim, migo, comigo", etc, etc...)



"O activista e músico pop Bob Geldof proferiu ontem em Lisboa duras acusações ao regime de Angola, que apresentou como sendo "gerido por criminosos"."





Através do Rui Bebiano chego à crónica de hoje do Manuel António Pina no JN e, em especial, a esta frase: « Os partidos de direita preocupam-se muito com a insegurança nas ruas, mas é dentro de casa e da família que se praticam diariamente em Portugal os crimes mais cobardes, sobre as mulheres, sobre as crianças, sobre os idosos, sobre, em geral, os mais fracos e vulneráveis»
O Rui titula, muito justamente, a referência que faz à crónica como "Uma casa portuguesa com certeza"... não preciso relembrar-vos do asco que tenho à canção que o inspirou, pois não?

P.S. - aproveitem a visita ao Terceira Noite e espreitem um post-it sobre o Maio de 68... straight to the point!





Conseguir juntar coentros e música sem passar por émulos do Paco Bandeira é difícil mas, como se prova, tentei. Será que assim esqueces a peixeirada que presenciaste? Para memória futura não deixo de re-manifestar o meu protesto perante a adulteração dos dois enchidos que mais prezo!

Adenda: espero que fiques mortificado ao saber que estou há não sei quanto tempo a trautear mentalmente o "Coentros e rabanetes, não vão à mesa do rei"