Sábado, 05.04.08

A $4.99 cada lata um gajo enriquece. Mas após o choque inicial a coisa só fica pior, este produto está classificado como Gourmet Food (oh! deves adorar esta, Mouro).

 

Está tudo doido! O atum está por cá muito longe de ser uma comida requintada, ainda por cima do mais ordinário: em óleo vegetal, nem sequer é azeite ou au naturel... mas enfim, nem é esse o ponto, qualquer tonto faz bem as contas e vai ao Continente comprar umas quantas latas destas (€1,02) e ganha mais de 300% com uma venda deste género. E, como duvido que a marca Bom Petisco seja assim tão conceituada por esse mundo fora, pode ser que se safe vendendo, praticamente pelo mesmo preço, atum da marca Vasco da Gama (nome bem mais internacional), que na mesma grande superfície está cotado a €0,79.

 

Amigos, temos aqui negócio!

 

 Fica ainda a sugestão para uma visita às restantes páginas de Gourmet Food da Amazon, é sintomático de algo o facto de os artigos bestseller incluirem gummi bears com fartura...




Dois posts do Entre as Brumas merecem-me hoje destaque porque o dia 5 de Abril é uma das datas marcantes da chamada Primavera de Praga.

Em Fevereiro a Joana confessava que, motivada pela necessidade de arranjar mais espaço nas prateleiras (como a entendo!), tinha andado a mexericar em papéis e encontrado o número da Le Temps Modernes de Abril de 68 dedicado, em grande parte, à Checoslováquia, resolvendo convidar-nos à leitura  do primeiro dos textos desse número da revista, "Un Socialisme à refaire" de André Gorz.

Há dias Praga esteve de novo na baila por lá quando publicou um testemunho de alguém que viveu, durante 5 anos, na Praga pós-primavera."Cheguei a Praga com 17 anos, em Julho de 1969, naturalmente entusiasmada com a ideia de ir viver num país socialista.(...)"