Terça-feira, 18.03.08
Via 5 dias soube da existência de uma justíssima petição ("Não ofendam os palhaços") para a qual chamo a vossa atenção.




Deve existir (não procurei, estou com preguiça) um site semelhante ao Euconfesso.com em língua inglesa que os políticos americanos possam usar em vez de se dedicarem a fazer confissões públicas sobre pecadilhos privados. Agora é o substituto de Spitzer que vem assumir que teve um caso extra-matrimonial há uns anos. "Who fucking cares?" é o que dá vontade de perguntar. Bem, infelizmente parece que há muita gente a querer saber, ao contrário do que seria suposto. E estas merdas arrastam-se no tempo. Lembram-se, com certeza, da outra história que meteu o marido de uma luso-descendente... agora digladiam-se nos jornais devido a eventuais, tcharam, ménages à trois em que a senhora teria participado. Que seeeeca e que tristes figurinhas...





Ontem foi notícia a passagem do 30º aniversário da chegada ao poder de Alberto João Jardim na Madeira que, entre outras coisas, aproveitou a data para anunciar que tinha ganho um processo judicial que interpôs contra Daniel de Oliveira, devido a um artigo de opinião publicado por este no Expresso em 2005. Deixo-vos com um excerto do texto em causa (escrito “como reacção às declarações em que Jardim chama «bastardos» e «filhos da puta» aos jornalistas, declarações pelas quais não poderá vir a ser julgado, já que goza de imunidade“):

“(…)Alberto João Jardim é um palhaço. Envergonha, de cada vez que abre a boca, a nossa democracia. Não é politicamente incorrecto. É apenas um palhaço que manda numa ilha com mais de duzentas mil pessoas. Recentemente, deu-se mesmo ao luxo de retirar a imunidade parlamentar, da qual nunca abdicou, a um deputado da oposição que o atacara. É um palhaço perigoso.(…)”


(em stereo)