Quinta-feira, 06.03.08

Quem é que tinha aqui falado das Bolachas Maria com manteiga, essa ajuizada receita?

 

Pois bem, agora que estou para aqui a ruminar um lote previamente preparado, lembro-me de algumas expressões que eram bem correntes quando puto (mais puto, entenda-se) e as quais nunca mais usei. As minhas bolachinhas com manteiga estão agora "chapadas" tal como pedia à minha mãezinha que mas preparasse, duas bolachas com uma generosa película de manteiga no meio, pressionadas uma contra a outra, comme il faut, está claro!

 

Outra expressão, que revivo como ideia, é a do banho "pelo esquecido". Que nada mais é que uma desgraça doméstica apenas evitada pelo arguto sistema de segurança das banheiras: aquele ralo vertical. Tal foi o regabofe desse banho memorável, quase transbordante, que daí em diante os banhos passaram sempre a ser negociados de forma a que fossem sempre o mais "pelo esquecido" possível.

 

E com isto lá foi meio pacote de Bolachas Maria...

 

ps: Neste blogue faz-se publicidade?




Vê lá se gostas. Tinham de ser da terra do outro cabeça de plástico... 




Já a mistura de óleo queimado e corpos nus é muito boa, agora a parte dos pedais da bicicleta levou-me às lágrimas... porra!

The Transporter [2002] - Louis Leterrier/Corey Yuen




Pela mão do Hugo, ide ver o "We are the world", versão karaoke japonesa.


Quem não compra o Público não deve ter visto o número que nunca chegou a sair (de 2 de Janeiro de 1990) e que foi disponibilizado com a edição de domingo passado. Para esses, se estiverem interessados em fazer uma viagem ao passado, aqui fica o link do PDF com esse número.



De cada vez que ponho os olhos em certos posts do Cenas só me apetece recomendar-lhe que os titule "Uma outra pornografia é possível". Digam lá se não dava um ar assim  muito correcto à coisa?



(será de vaca ou porca?)





(adenda gráfica um dia depois mas só hoje o pastorinho meteu a mão na massa)
Há muito, muito tempo, era este blog uma criancinha, resolvi trazer para aqui uma discussão que surgiu quando uma nossa leitora (é verdade! há muito tempo que não sei notícias suas e da sua família, minha cara) viu o acesso aqui à tasca interditado porque não teríamos tento na língua e escrevíamos palavras "órríveis" como orgasm e essas coisas assim. Hoje volto a pegar no tema porque li no Público o seguinte"«O Parlamento vai passar o monitorizar os computadores a partir dos quais são efectuados acessos ou tentativas de acesso a sites “não recomendados”. São assim considerados os de pornografia, droga, agressão, jogo e pirataria informática.»"


(o resto da conversa está no outro lado - quem será essa criatura que tem a mania de escrever o mesmo que eu, hein? acho-lhe graça, parecemos uma só pessoa )