Segunda-feira, 03.03.08
A Vallera tem, no Peão, uma prenda para a gente. Não percebo porque é que se lembrou de nós





Já tudo foi dito sobre a reviravolta da Luciana Abreu, que largou a Floribela e decidiu posar para a FHM. Tudo? Não. Um pequeno pormenor resiste ainda e sempre ao esquecimento. Falo das declarações do director da revista, João Godinho, que podem ver acima. Saiu num número de uma das revistas do costume (a Nova Gente ou lá o raio) antes da publicação da célebre sessão fotográfica, numa peça que descreve a decisão da menina em não cobrar cachet graças ao conselho da amiga Merche. O resto são banalidades e tricas.
Leram? Perceberam? A revista FHM tem insignes valores, um dos quais é não transformar as modelos de capa em objectos. Por isso, não paga. Os valores morais ficam salvaguardados, tanto da parte deles como da parte delas. Nada de dinheiro, isso seria uma forma de prostituição. As meninas agradecem porque promovem carreiras, a FHM saúda, porque enche os bolsos. É uma união feliz. Eu cá fico com a ideia de que são engrupidas e bem papadas, mas devo estar enganado.



Começa assim a (falsa, porém divertidíssima*) carta aberta do John Cleese à América:

 

"Dear Citizens of America,

In view of your failure to elect a competent President and thus to govern yourselves, we hereby give notice of the revocation of your independence, effective immediately. (...)"


*Obrigada, fig3 e
Hugo, pela correcção



Why does Russia bother to hold elections?




O café da minha rua costuma fechar as portas por volta das 21h30m excepto quando é dia de importante  jogo de futebol, especialmente se este só passar na Sport TV. Nesses dias enche-se de gente, as conversas entre desconhecidos abundam, a tensão vê-se na cara de quase toda a gente. É muito divertido apreciar mas, mais que isso, esta maravilhosa atenção pela vizinhança permite-me, em dias de Benfica/Sporting, ter paz em casa. Sou mãe de uma sportinguista e de um benfiquista fanáticos... imaginam o cenário em dias de derby?



Passei no Arrastão e quando o Daniel escreve, a propósito de blogs em mirandês, "Não percebo o que por lá está escrito e por isso tenho dificuldade em escolher um", senti-me transportada para o meu passado...noutro país, é certo, mas num onde era suposto perceber o que me diziam e, no "choque" inicial, só me apetecia perguntar, como a personagem deste filme, "Putain, mais tout le monde parle comme vous ici?".


(se vos apetecer perder um bocadinho de tempo a descobrir os "Ch'tis", em versão humorística, passem pelo site oficial do filme novinho em folha, Bienvenue chez les ch'tis)