Sexta-feira, 29.02.08

P A R A B É N S

A UMA DAS MELHORES PESSOAS QUE CONHECI NA VIDA

 

*junta-te à tua comunidade, vá!





(clicar na imagem)



Tendo eu uma irmã nascida a 29 de Fevereiro (parabéns, mana velha!) não me lembro da minha vida sem conversas sobre anos bissextos.



Houve uma altura na minha vida em que a rádio me era indispensável (alguns programas marcar-me-ão para sempre, como este... curioso, foi aí que a minha panca com os TMC, reassumida ontem,  começou), é por isso normal que me lembre muito bem do fenómeno da explosão das rádios piratas que caracterizou a segunda metade dos anos 80 em Portugal. Ainda tenho por casa uma K7, com um som miserável,com o  Black Album do Prince (álbum também pirata), ouvido e gravado na desaparecida Correio da Manhã Radio (101.5 FM era a frequência, acho). Nessa altura era a música o que mais me atraia na rádio (et oui, os discos eram caros e não havia cá pirataria para ninguém) mas, de repente, tudo mudou (inclusivamente os meus hábitos radiofónicos) ... surgiu a TSF que, ainda hoje, é a minha estação "por defeito" nos únicos momentos em que ouço rádio, ou seja quando estou no carro. Hoje é data "oficial" do nascimento da TSF mas houve um  antes de 88
e um um novo arranque, em 89.

(Post incompleto, estou à espera que um sonzinho acabe de descarregar para gáudio da fuckitall)



A polémica a propósito de uma cena de sexo num filme com Nanni Moretti relembra-nos que é assim que se faz, ok? E não se esqueçam de se olharem intensa e romanticamente... olhos nos olhos, já!



 Parece que na tal cena os actores - ó blasfémia! - fazem sexo de pé, vestidos e sem se olharem nos olhos o que levou Nicolo Anselmi, responsável pelo departamento da juventude da Conferência Episcopal Italiana, a afirmar coisas fantásticas, e cito o Público, "(...) preferia que a cena fosse mais romântica, e que até resultasse no nascimento de uma criança". O melhor mesmo é citar o Guardian, a fonte da notícia do Público «"The two actors make love standing, with their clothes on, without looking at each other," complained Nicolo Anselmi, a priest in charge of the youth ministry for the Italian Bishops' Conference. He added that he would have wanted the scene to be more romantic, perhaps even resulting in the birth of a child.

"It would be good if some of these professional actors started to be conscientious objectors and refused to shoot erotic scenes that are vulgar and destructive," he concluded."»