Domingo, 10.02.08
Memórias infantis despertadas pela leitura matinal do Público onde se anunciava que António Torrado escreveu uma nova versão desta história infantil.


(a continuação pode ser vista em 2, 3 e 4)



(na minha cabeça estas duas canções sempre foram uma)


Longe de mim insinuar que o Cenas compra o Halls preto para outros fins que não o de melhorar o hálito ou atenuar eventuais dores de garganta, mas este blog teve sempre como um dos seus propósitos constituir um repositório de informação alternativa. Ora o Halls preto é um dos temas que permite cumprir, na perfeição, tal objectivo. Quem já experimentou (e podem encontrar inúmeros testemunhos googlando "halls preto") é unânime em considerar que a prática de sexo oral associada ao uso de tal rebuçado faz com que os êxtases místicos de Sta Teresa de Ávila, tão bem retratados por Bernini, se possam considerar peanuts.
O tema não é de todo irrelevante levando mesmo a que mui respeitáveis intelectuais se tenham dedicado a escrever sobre o Paradigma do Halls Preto.



Há uns meses jeitosos tive uma discussão, numa das nossas caixas de comentários, que começou com uma história doméstica, desviou para conceitos de países desenvolvidos e não desenvolvidos, com elogios meus às políticas de saúde materno-infantis em Portugal (todos os governos confundidos dos últimos 30 anos) e acabou por ter uma passagem no tema, muito em voga na altura, de nascimentos em ambulâncias. No meio da conversa alguém referiu que agora havia constantemente nascimentos em ambulâncias, ao que retorqui, "Define constantemente. E se calhar era capaz de ser boa ideia compararem-se o número de nascimentos em ambulâncias (raros, muito raros porq, como a gente sabe parir demora tempo) há 1 ou 2 anos e agora. Se calhar chegaríamos à conclusão q os números não são assim tão diferentes, a grande diferença é que (por motivos que nem sequer é preciso referir) agora são todinhos noticiados.". Pelo António P. acabei de saber que parece que esses números apareceram finalmente (só agora? how funny) e aqui vão eles:

"(...)2001 : 355 nascimentos
       2006 : 88 nascimentos
entre 2002 e 2005, se a memória não me falha, a média andaria pelos 100 nascimentos/ ano.(...)"

P.S. - Acabei de perceber que com a importação para esta nova morada os comentários ficaram um bocado tresloucados e fora de ordem. Se a alguém apetecer ler a conversa inteira, cronologicamente organizada, deixo o link para o post original na casa antiga.