Sexta-feira, 08.02.08
Foi ler-te, Pedro, e pronto


Um quiz para o fim-de-semana.

Pergunta: o que une as duas figuras?

  


Posso invadir-te o post, cenas? (bof, já invadi e agora castiga-me se quiseres)  Há um  site interessante  que merece a visita de quem andar à procura deste tipo de mapas "de perfis".

Cenas Obscenas às 14:44
editado por Shyznogud às 22:06
juntar-se ao pagode ver o deboche (14)

strumpf (with all due respect, e agradecendo ao google a imagem)


I'm home! redfrog


... e há que homenagear quem tão bem nos recebeu (além disso  tem a vantagem acrescida de fornicar os miolos da Fuckit que gosta muuuuuuito desta canção).




 A senhora Rice foi a Cabul chamar a atenção para o Afeganistão, os americanos pedem mais empenho aos aliados e o "Economist" pergunta se esta "guerra esquecida" poderá vir a dar cabo da "mais bem sucedida aliança militar da História" (a NATO).
Eu acho que pode, e está a dar. Já que o dia se iniciou por aqui num registo de memorialismo analógico, segue-se um conhecido texto com 128 anos, já várias vezes citado, mas cuja actualidade (e qualidade) recomendam uma periódica lembrança:

Em 1847 os ingleses, "por uma Razão de Estado, uma necessidade de fronteiras científicas, a segurança do império, uma barreira ao domínio russo da Ásia..." e outras coisas vagas que os políticos da Índia rosnam sombriamente, retorcendo os bigodes — invadem o Afeganistão, e aí vão aniquilando tribos seculares, desmantelando vilas, assolando searas e vinhas: apossam-se, por fim, da santa cidade de Cabul; sacodem do serralho um velho emir apavorado; colocam lá outro de raça mais submissa, que já trazem preparado nas bagagens, com escravas e tapetes; e, logo que os correspondentes dos jornais têm telegrafado a vitória, o exército, acampando à beira dos arroios e nos vergéis de Cabul, desaperta o correame, e fuma o cachimbo da paz... Assim é exatamente em 1880.

No nosso tempo, precisamente como em 1847, chefes enérgicos, Messias indígenas, vão percorrendo o território, e com os grandes nomes de Pátria e Religião, pregam a guerra santa: as tribos reúnem-se, as famílias feudais correm com os seus troços de cavalaria, príncipes rivais juntam-se no ódio hereditário contra o estrangeiro, o homem vermelho, e em pouco tempo é todo um rebrilhar de fogos de acampamento nos altos das serranias, dominando os desfiladeiros que são o caminho, a estrada da Índia... E quando por ali aparecer, enfim, o grosso do exército inglês, à volta de Cabul, atravancado de artilharia, escoando-se espessamente, por entre as gargantas das serras, no leito seco das torrentes, com as suas longas caravanas de camelos, aquela massa bárbara rola-lhe em cima, e aniquila-o.

Foi assim em 1847, é assim em 1880.

Então os restos debandados do exército refugiam-se em alguma das cidades da fronteira, que ora é Ghasnat ora Candahar: os afegãos correm, põem o cerco - cerco lento, cerco de vagares orientais. O general sitiado, que nessas guerras asiáticas pode sempre comunicar, telegrafa para o viso-rei da Índia reclamando com furor reforços, chá e açúcar! (Isto é textual: foi o general Roberts que soltou há dias este grito de gulodice britânica; o inglês, sem chá, bate-se frouxamente). Então o governo da Índia, gastando milhões de libras, como quem gasta água, manda a toda a pressa fardos disformes de chá reparador, brancas colinas de açúcar, e dez ou quinze mil homens. De Inglaterra partem esses negros e monstruosos transportes de guerra, arcas de Noé a vapor, levando acampamentos, rebanhos de cavalos, parques de artilharia, toda uma invasão temerosa... Foi assim em 1847, assim é em 1880.

Esta hoste desembarca no Industão, junta-se a outras colunas de tropa índia, e é dirigida dia e noite sobre a fronteira em expressos a quarenta milhas por hora; daí começa uma marcha assoladora, com cinquenta mil camelos de bagagens, telégrafos, máquinas hidráulicas, e uma cavalgada eloquente de correspondentes de jornais. Uma manhã avista-se Candahar ou Ghasnat; — e num momento, é aniquilado, disperso no pó da planície o pobre exército afegão com as suas cimitarras de melodrama e as suas veneráveis colubrinas do modelo das que outrora fizeram fogo em Diu. Ghasnat está livre! Candahar está livre! Hurrah! — Faz-se imediatamente disto uma canção patriótica; e a façanha é por toda a Inglaterra popularizada numa estampa, em que se vê o general libertador e o general sitiado apertando-se a mão com veemência, no primeiro plano, entre cavalos empinados e granadeiros belos como Apolos, que expiram em atitude nobre! Foi assim em 1847; assim há-de ser em 1880.

No entanto, em desfiladeiros e montes, milhares de homens que, ou defendiam a pátria ou morriam pela fronteira científica, lá ficam, pasto de corvos — o que não é, no Afeganistão, uma respeitável imagem retórica: aí, são os corvos que nas cidades fazem a limpeza das ruas — comendo as imundícies, e em campos de batalha purificam o ar, devorando os restos das derrotas.

E de tanto sangue, tanta agonia, tanto luto, que resta por fim? Uma canção patriótica, uma estampa idiota nas salas de jantar, mais tarde uma linha de prosa numa página de crónica...

Consoladora filosofia das guerras...

No entanto, a Inglaterra goza por algum tempo a "grande vitória do Afeganistão" — com a certeza de ter de recomeçar, daqui a dez anos ou quinze anos, porque nem pode conquistar e anexar um vasto reino, que é grande como a França, nem pode consentir, colados à sua ilharga, uns poucos de milhões de homens fanáticos, batalhadores e hostis. A "política" portanto é debilitá-los periodicamente, com uma invasão arruinadora. São as fortes necessidades de um grande império. Antes possuir apenas um quintalejo, com uma vaca para o leite e dois pés de alface para as merendas de Verão.

(Eça de Queirós, in "Cartas de Inglaterra")




Fui-me pôr a remexer em revistas devido a conversas na casa do lado e acabei por dar com esta Vida Mundial já muito velhinha (obrigada, Cenas, é das tuas), de Junho de 1972, na altura em que decorria a campanha eleitoral para a presidência americana (seria eleito Nixon, como sabemos, se bem que o mandato não lhe tenha corrido lá muito bem... a propósito, anda a passar, repetidamente, no Hollywood ou no AXN - já não sei bem - um filme que, digo eu, é imprescindível, "Os Homens do Presidente"... e não, não é a série que, estupidamente, alguém resolveu traduzir da mesma maneira. Se bem que esta "West Wing" seja muitíssimo recomendável e uma das minhas paixões televisivas... xooo, para mim, que não sei falar sem desvios). Dizia eu, portanto, que nesta Vida Mundial fazia capa o adversário de Nixon na corrida à presidência e o artigo que dele falava começava de uma forma que, tantos anos depois, tem uma linguagem que nos soa familiar. Ora reparem:
"Nova Jérsia, Novo Mexico, Dakota do Sul, Califórnia. Quatro Estados que no mesmo dia escolheram o candidato democrático da sua preferência. Quatro vitórias para George McGovern. O facto de se transformarem, pela sua simultaneidade, num quádruplo triunfo e a importância estratégica da Califórnia com os seus 271 mandatos não repartíveis fizeram que, de um dia para outro, todas as atenções se concentrassem no senador do Dakota do Sul. Ninguém acreditava nele. Sondagens e computadores conferiam-lhe apenas 2% do eleitorado norte-americano. Menos que Humphrey, que Muskie, que Wallace. Sùbitamente, porém, ei-lo que surgia com mais de 1000 mandatos garantidos para a convenção de Miami. Depois foi Nova Iorque. E a cotação do "candidato ignorado" atingiu o limiar dos 1300(...)".


Shyznogud às 09:25
editado por Cenas Obscenas às 16:40
juntar-se ao pagode ver o deboche (2)