Terça-feira, 22.01.08

As Obese Population Rises, More Candidates Courting The Fat Vote

*psiu... mazinha... é o The Onion, não te deixes impressionar.


... mas há situações mais constrangedoras ("E ele há coisas que é quase como ser apanhado despido pelo filho da pessoa com quem se passou a noite."), por exemplo aparecer-se nuazinha no quarto da filha e estar lá o namorado (adolescente) dela. Pobre rapazinho, ficou bem mais entalado que a mãe da criatura (ninguém o mandava ter ido lá a casa a horas pornograficamente matinais quando não é suposto haver gente "de fora" em casa, oras).



"simpática recepção a Mahmoud Ahmadinejad em Washington e Nova Iorque", PPM dixit. Ó para o Bollinger a transpirar simpatia por todos os poros (credo, o que seria preciso dizer para que o Paulo considerasse antipática uma recepção? eheh nem me atrevo a imaginar)




Desta vez não é nenhuma tendência blasfema que explica o título que dei ao post, antes algo de muito pessoal. Aquela que para muitos é considerada "literatura menor" (que raio de ideia), a ficção cientifica, é-me especialmente querida e esse facto tem efeitos. Um deles é associar a expressão "livro dos livros" ao Fahrenheit 451 e isso fez com que quase fosse compelida a ir buscar este livro, e aquilo que dele diz o seu autor, Ray Bradbury, e juntá-lo à referência que me anda a apetecer fazer ao novo blog de José Mario Silva, onde o livro é rei, o Bibliotecário de Babel.