Segunda-feira, 07.01.08
Querem a Real Sound Trash? You asked for it...




E quando digo "voltemos", falo de uma grande viagem no tempo.
Quem me mandou isto estava irritado com o extemporâneo (to say the very fucking least) comentário politicamente correcto do Trinkaus; a mim deixou-me a pensar é desde quando a existência de interacção sexual significa que exista "respeito", "aceitação" ou sequer um relacionamento digno desse nome.



Mas olha que só alguém muito pervertido se lembraria dos La Bionda.

P.S. - Grande animal, argh! e agora como é que me sai da cabeça o "one for you, one for me"??



Lembras-te de, noutro dia, ter falado do rearmamento, pós-fim da II Guerra Mundial, das tropas japonesas para assegurar o controlo dos "ímpetos independentistas" de algumas populações? É uma parte esconsa da história contemporânea de que ninguém ouve falar, certo? Hoje deu-me para ir recolher informação e não está a ser muito fácil (contribuições serão bem vindas) perceber o que aconteceu. Deixo ficar pistas sobre a Indonésia (" On Christmas Day 1945, a combined British, Indian and Japanese(!) force mounted a deliberate attack on Indonesian nationalists in Java. The war against Japan had ended in August, but within three months of their surrender, Japanese troops were rearmed and employed by the allies in the Dutch East Indies. Japanese artillery provided fire support and Japanese tanks gave intimate first support to a Japanese battalion commanded by Major Gilbert Hickey MC of the 5th Royal Ghurkha Rifles") e o Vietname ("At last the British secured control of the city but only after the liberal use of artillery, the deliberate burning of areas held by the rebels and the rearming and use of surrendered Japanese troops.").



A novela da cigarrilha-de-Ano-Novo continua. Já hoje ouvi um responsável da Direcção-Geral de Saúde dizer que a nova lei é para aplicar sem excepções e um senhor de uma qualquer associação de casinos a afirmar o contrário, ou seja, que a "Lei do Jogo" se sobrepõe à recente disposição legal. Como esta não especifica "casinos", zás!, já se pode fumar. Também ouvi que o assunto vai ser hoje discutido no Parlamento. Credo! E continuo a achar piada à forma como os nossos media abanam o fogareiro, falando em "polémica" e em "diferentes interpretações da lei". O que começou como uma desculpa esfarrapada para um tipo apanhado de calças em baixo ameaça transformar-se num engulho legislativo. Já aqui o disse: "ops!, apanharam-me, quanto e onde é que pago a multa?". Se tivesse acontecido com um qualquer cidadão que não o Senhor da Azái, não estava o assunto resolvido?
Ainda bem que o gajo não passou o Ano Novo numa casa de putas. Aí é que era giro. Porque em Portugal não há enquandramento legal para os bordéis (que legalmente não existem). Logo, fumar uma cigarrilha num espaço desses é legal? A "lei do tabaco" sobrepôr-se-ia a uma lei inexistente? Seria legal fumar num espaço que legalmente não existe? E não é "público"? E de "diversão nocturna", porém? Hmm. E se fosse numa casa de apostas, num recito clandestino de lutas na lama, numa arena de wrestling, numa sala de bisca? Obrigaria os nossos legisladores a ver tudo outra vez?



A Joana Lopes dá a resposta merecida, no Entre as Brumas da Memória, à delirante crónica de sábado de Vasco Pulido Valente no Público (para quem ainda não a leu transcrevi-a para aqui) que tantos encómios tem recebido em parte (ooh que surpresa) da blogosfera nacional. Não sei que substância é que tem estado na moda entre alguns dos mais famosos cronistas da imprensa portuguesa mas que tem fortes efeitos alucinogénios é indesmentível. Leia-se o comunicado do PSOE e compare-se com o que VPV escreve.



... roubei um vídeo à vizinhança (ah! não sei se viste mas deixei-te um comentário porque a guerra dos psis continua animada lá para os lados da Rue89).

Parece-me que, seguindo a vocação pedagógica de que o womenage por vezes padece, faz sentido acompanhar o vídeo pela sugestão deste site, que contém indicações preciosas.