Sexta-feira, 04.01.08




A culpa disto é das múltiplas. Se ao menos conseguisse responder à dúvida que colocam :-(


Não sei se por aí abundam muitos fanáticos do Boston Legal. Eu sou-o, como já antes admiti. No meio de muito cinismo, de muito sarcasmo e ironia, de muitas transgressões ao so called politicamente correcto os argumentistas vão escrevendo peças políticas notáveis sobre alguns dos temas mais quentes da actualidade. Grande parte da piada da série está em nunca apresentar nada a preto e branco, as matizes dos vários cinzentos da realidade são exploradas quase até ao limite. Para terminar em beleza as duas personagens principais, Alain Shore e Denny Crane, identificadas de caras com os dois grandes grupos políticos americanos, estão longe de ser criaturas recomendáveis, hum...pode dizer-se que são dois adoráveis cabrões (claro que o "adoráveis" está condicionado pelo meu gosto particular por cabrões). Tanta conversa para dizer que há pouco estive a passar os olhos por uma cena (do episódio "Stick it") em que o "closing argument"do caso do dia (ainda não tinha referido que é mais uma série de advogados, pois não?) é apresentado pelo personagem de James Spader e constitui um violentíssimo libelo sobre o medo e a liberdade de expressão. Infelizmente no Youtube só há uma versão "trabalhada" em que se perde muito do gozo que dá ver a actuação de Spader. Se tiverem um bocadinho podem, contudo, ver a cena seguindo o link desta fala:

Alan: Last night, I went to bed with a book. Not as much fun as a 29 year old, but the book contained a speech by Adlai Stevenson. The year was 1952. He said, "The tragedy of our day is the climate of fear in which we live and fear breeds repression. Too often, sinister threats to the Bill of Rights, to freedom of the mind are concealed under the patriotic cloak of anti-Communism."

Today, it's the cloak of anti-terrorism. Stevenson also remarked, "It's far easier to fight for principles than to live up to them."

Adenda para os mais curiosos: se quiserem ler o discurso de onde foi extraído o excerto citado por Spader/Shore podem fazê-lo aqui (Nature of Patriotism). O autor, Adlai Stevenson, foi Governador do Illinois, canditado vencido à nomeação democrata para a presidência duas vezes e Embaixador dos Estados Unidos na Onu (era-o durante a Crise dos Mísseis de Cuba).



Era a pergunta de Bob Cesca no artigo que citei ontem. A resposta não me espanta nada, afinal alguém que fala com Deus ao telefone não bate com o baralho todo. Se dúvidas ainda restassem lembremo-nos que que faz gala em ter o Chuck Norris como apoiante (o Chuck Noris?! Nossa Senhora nos acuda). Lá estava ele, aliás, no palanque logo atrás do alucinado, a comemorar a vitória, nas imagens que vi na Sic Notícias esta manhã. Nem tudo é trágico, contudo. Ainda há poucos dias referi uma sondagem da CNN em que se afirma que qualquer dos um dos mais prováveis candidatos democratas limpa o sebo facilmente a Huckabee.